•   Teresina - PI, 21/01/2018.
Oferecimento:
  Notícias
  Entretenimento
  Mulher
  Colunistas
  Mídias
  Clima
Estreia de “Velho Chico” impressionou pela beleza estética e dramaticidade
 Postado em: 15/03/2016 às 04h37
Estreia de “Velho Chico” impressionou pela beleza estética e dramaticidade

Foi tudo lindo na estreia de “Velho Chico“, a novela da Globo, nessa segunda (14/03). Luiz Fernando Carvalho na veia. Se não soubesse que era dele a direção artística, acertaria de pronto. As tomadas, a edição (que não necessariamente acompanha os diálogos), a beleza plástica, a luz, a interpretação visceral dos atores, a trilha. Tudo lembra a obra do diretor, de “Capitu'' a “Afinal o que querem as mulheres?“. O primeiro capítulo apresentou uma opereta carregada na dramaticidade. Uma dramaticidade pesada, forte. Às vezes sutil, quando interessou ao roteiro.

 

Difícil creditar a novela apenas a Benedito Ruy Barbosa (o criador da história) ou a Edmara e Bruno (filha e neto dele, os roteiristas). “Velho Chico'' é a prova de que ali houve um grande esforço coletivo, cujo maestro principal é o diretor. O que só funciona quando o diretor traduz em imagens o roteiro do autor de forma única e original. E tem a total liberdade para isso.

 

Não, o capítulo não foi lento, como apregoam os avessos à obra de Benedito Ruy Barbosa. Em meio à contemplação estética-musical houve ação, tensão e emoção. Ficamos sabendo que o Coronel e o Capitão se odeiam e têm interesses díspares. Que um filho do coronel morreu nas águas do São Francisco. Que o outro filho esbanja dinheiro na capital com a namorada-amante. Que a família de retirantes precisa fugir da seca para não morrer. E que, por fim, o coronel morreu e o amor do filho está ameaçado por essa morte. Bastante prum primeiro capítulo.

 

O diferencial está na realização. Tudo degustado ao sabor do visual deslumbrante da fotografia e da trilha sonora que trabalha eficazmente a favor do melodrama. Impressiona também a atuação do elenco, em caracterizações carregadas: Tarcísio Meira e Selma Egrei, Carol Castro e Rodrigo Santoro, Rodrigo Lombardi e Fabíula Nascimento, Chico Diaz e Cyria Coentro (que sequências lindas na seca, remeteu ao especial “Morte e Vida Severina“, de 1982).

 

Tudo muito lindo, de encher os olhos. Resta saber se a história da novela despertará no público as paixões, que a produção se propõe, pelos próximos seis meses. Pirotecnia visual também cansa quando muito carregada. Essa beleza toda, por si só, não sustenta uma novela por tanto tempo. A história (da novela) nos revelará.

 

Fonte: nilsonxavier.blogosfera.uol.com.br


Comentar pelo facebook:
/ Outras matérias relacionadas:
BLOG DA VIVI
ENTRETENIMENTO

Xuxa não renova contrato e futuro na Record é incerto
Segredo
Anitta tem casamento com cerimônia celebrada por pajé
GALERIA DE EVENTOS

Réveillon no Theresina Hall

Moda, música e campanha social marcam a primeira noite do Teresina Trend
NOTÍCIAS
MULHER
COLUNISTAS
ENTRETENIMENTO
PARCEIROS
OUTRAS PÁGINAS
© Copyright 2015/2018. www.blogdavivi.com.br - Teresina-PI. Todos os direitos reservados.